Power Pixel - Conteúdos e suporte a sua volta.
Redes Sociais:

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Análise - Outlast (2 ou II slá)

Mensagem - Página 1 de 1

1 Análise - Outlast (2 ou II slá) em Ter 9 Maio 2017 - 20:02

Membro

avatar
 
Desenvolvido e publicado pela Red Barrels, é um game em primeira pessoa de survival horror, sequência do Outlast de 2013. A história se inicia com um jornalista chamado Bake Langermann, que com a companhia de sua esposa Lynn, ele vaga pelo deserto do Arizona para investigar o assassinato de uma mulher grávida.

História

No jogo você está na pele de Blake Langermann, um jornalista que se submeteu na investigação da morte de uma mulher grávida, conhecida apenas como Jane Doe. Durante a investigação, a esposa do personagem, Lynn, desapareceu misteriosamente na região de Supai onde todos temem pisar, enquanto procurava sua esposa ele passa por uma aldeia no qual é isolada da sociedade onde um grupo que acredita ter seu fim próximo se abriga. Logo no início do jogo o protagonista deve se aventurar em uma área isolada e silenciosa para encontrar Lynn, após vivenciarem um terrível acidente de helicóptero. Quanto mais o jogador avança pelos cenários, mais tenso o clima vai ficando, a sensação de desconforto emitida pelo personagem e o medo causado por imagens e sombras aterrorizantes são de dar arrepios, isso faz com que Blake converse consigo mesmo e imagine coisas assustadoras enquanto continua seu caminho. O foco do jogo não se concentra apenas em resgatar a esposa do protagonista, mas também foca um pouco nos rituais assombrados que acontecem no local, tais rituais envolvem até crianças e (se levar como spoiler não leia isso) possivelmente está relacionado com o sequestro de Lyann.


Jogabilidade



Em comparação com o Outlast anterior, o game realmente apresenta uma performance mais fluída principalmente quando é preciso correr ou se esconder, a jogabilidade era considerada simples mas agora algumas adições foram feitas com o objetivo de simular uma situação real. Agora o jogador também pode se esconder em barris, não somente debaixo de camas e em armários.

O personagem ainda possui apenas uma câmera, porém agora com um novo recurso que é muito útil; o sensor de sons através do dispositivo ajuda na percepção dos inimigos. Em momentos onde o local é extremamente escuro, e dificulta a visão do jogador, este novo recurso se mostra mais útil do que nunca já que ajuda bastante na procura do lugar para seguir. Os inimigos, que são os ''fanáticos religiosos'' no game, sofreram uma melhoria na inteligência artificial que mais pareceu desnecessária, desta vez eles estão decididos a te exterminar e vão muito mais longe atrás do personagem, o que torna mais difícil além de facilmente você ser pego por eles.

Por enquanto o jogo não apresenta tantos problemas, ou erros em alguma coisa, tirando a parte que os inimigos estão duas vezes mais violentos Outlast 2 segue normal. Os acontecimentos de Outlast, embora sejam fictícios, foram baseados em eventos reais; na cidade de Jonestown em 1978, mais de novecentas pessoas foram encontradas mortas misteriosamente, no local estabelecido pelo grupo Peoples Temple, dando a entender que elas faziam parte de alguma organização religiosa.
 

Gráficos



Os gráficos do jogo estão simplesmente magníficos, os sangues espalhados pelo cenário, as tripas e os machucados estão mais realistas do que nunca, bem modelados dando um efeito maior e mais medonho nos lugares. Foi usada uma versão atualizada da Unreal Engine 3 para produzir o jogo, a preferida na indústria de jogos da geração passada e por isso mostra alguns errinhos por conta da idade, porém com a habilidade dos artistas da desenvolvedora isso quase não é notado e não decepciona em nada. Assim como no Outlast anterior, a sensação de desconforto, medo e vulnerabilidade estão presentes desde os primeiros minutos do jogo até o fim. Seja uma porta que precisa ser explorada ou um corredor que precisa ser atravessado, sempre te causa desconfiança, você nunca sabe o que esperar do outro lado, e isso faz com que todos os movimentos do jogador sejam calculados antes de realizados.


Personagens


Blake Langermann é o protagonista do jogo, ele e sua esposa saíram em busca de investigar o assassinato misterioso de uma mulher, mas no caminho o helicóptero que carregava os dois caiu violentamente, e Lynn a esposa do personagem desaparece. O rosto do protagonista nunca é mostrado, mas ele usa óculos para ajudar no seu problema visual (possivelmente miopia), ele usa uma jaqueta verde onde guarda as baterias de sua câmera.
 
Lynn Langermann é a esposa de Blake, ela ficou desaparecida depois do acidente com o helicóptero que se encontrava, a partir daí seu marido parte em busca de acha-la.
 
Sullivan Knoth nasceu em 1933 e trabalhou no novo México como vendedor de sapato. Aparece como um homem com sobrepeso, altura média e velho. Ele usa vestes estranhas, para se parecer com a insígnia do culto. Em Outlast 2 ele é um terrível vilão, porém existem outros.

Pontos Positivos


- Terror garantido e imersivo.
 
- Atmosfera perturbadora e aterrorizante.
 
- Jogabilidade flui bem.
 
- Trilha sonora deixa o clima ainda mais tenso.

Pontos Negativos


- Fácil de morrer (irrita)
 
- Contém palavrões, o que não é aconselhável para crianças.
------
Oque acharam da análise? Foi boa? Querem mais?
------
By: Eu
Pedido de: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.].

2 Re: Análise - Outlast (2 ou II slá) em Ter 9 Maio 2017 - 20:12

Estagiário

avatar
Eu acompanhei a gameplay dele e está perfeito. Para quem já jogou o primeiro e gostou irá se surpreender com o segundo. Pena que está muito caro por conta de ser lançado recentemente.
Parabéns pela análise.

3 Re: Análise - Outlast (2 ou II slá) em Sex 11 Ago 2017 - 1:44

gostei da analise

Conteúdo patrocinado

Mensagem - Página 1 de 1

Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum