Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Power Pixel » Barzinho do fórum » Área de descontração » Notícias » Inflação de 2016 fortalece aposta de economistas de queda maior dos juros

Inflação de 2016 fortalece aposta de economistas de queda maior dos juros

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

AnyDown

Membro Bronze


avatar
A forte desaceleração da inflação oficial, divulgada nesta quarta-feira (11), fortalece a aposta dos economistas de que o Comitê de Política Monetária (Copom) vai acelerar o ritmo de redução da taxa básica de juros (Selic). Depois de duas reduções de 0,25 ponto, o grupo se reúne nesta tarde, quando deverá anunciar mais um corte. Hoje, os juros estão em 13,75% ao ano.



Rogério Mori, professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV), considera que a taxa Selic deverá cair nesta quarta-feira e seguir ritmo ao longo do ano. Em 2016, a inflação fechou em 6,29%, abaixo do teto de metas em vigor no país. A estimativa mais recente dos economistas dizia que o IPCA chegaria no final do ano a 6,35%.

“A queda deve ficar em meio ponto percentual, o que levará a taxa Selic para 13,25% ao ano. Essa queda se alinha, de um lado, com a convergência da inflação para o centro da meta, de 4,5%, e, por outro, com o debilitado ritmo da atividade econômica brasileira. Nesse sentido, a queda recente da inflação abriu espaço para cortes na taxa de juros por parte do Banco Central, o que estimulará a demanda e a produção no médio prazo”, diz.

Segundo ele, se o comportamento da inflação for mesmo de queda e se a economia brasileira continuar debilitada, podem haver cortes mais agressivos na taxa básica de juros. “Há ainda o cenário externo, não sabemos como será a economia americana com Donald Trump”, diz. Segundo Mori, o mercado trabalha com taxa de juros de 10,5% até o final de 2017.

Apesar da queda nos juros, Mori recomenda cautela para os consumidores. “O ritmo da atividade econômica brasileira segue fraco e a tendência do desemprego é de elevação no primeiro trimestre do ano. Nesse sentido, não é recomendável que novas dívidas sejam assumidas nesse cenário. Ao mesmo tempo, a queda da Selic traz algum alívio marginal para quem está endividado, uma vez que as taxas de juros devem registrar algum recuo. De qualquer forma, o quadro atual inspira conservadorismo em termos de gastos e de dívidas".

Fonte: G1



Ver perfil do usuário

nadi0s

Membro Elite


avatar
Ótima informação! Obrigado pro traze-la.



Power Pixel Awards: Venci em 10!
Ver perfil do usuário http://www.nadi0s.com

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum